Estamos com vagas abertas. Se você tem interesse em fazer parte de nossa equipe e levar notícias em primeira mão aos fãs da atriz Amy Adams, mande sua ficha preenchida pra gente no e-mail aabrcontato@gmail.com.

Leia sobre as vagas e candidate-se:

Social Media – Responsável por atualizar o nosso instagram com novidades e etc.
Newsposter – Responsável por fazer os posts de notícias que saírem sobre a Amy no site.
Legender – Responsável por legendar novos e antigos vídeos.
Tradutor – Responsável por traduzir vídeos, entrevistas para revistas e etc.

Requisitos para Legender:
Conhecimento em editor de vídeo;
Nível intermediário em língua portuguesa e inglesa;
Ter tempo livre para legendar.

Requisitos para Tradutor
Nível intermediário em língua portuguesa e inglesa;
Ter tempo livre para traduzir.

Requisitos para Newsposter:
Nível intermediário em língua portuguesa e inglesa;
Ter tempo livre para elaborar as notícias e postar no site.

Nome:
Idade:
Cidade/Estado:
Vaga que deseja (Social Media/Legender/Tradutor/Newsposter):
Tempo Disponível:
Participa de outro site? Qual?
Onde te encontrar? (twitter/facebook):

Antes de se inscrever, esteja ciente de que é um trabalho voluntário, onde a pessoa que se comprometer com o cargo deverá ter responsabilidade. O trabalho não é remunerado. É um serviço de fãs para fãs, ou seja, tudo o que fazemos aqui é por amor à nossa fada!

Qualquer dúvida, contate-nos via twitter: @BRAmyAdams.

Amy Adams está na edição de Fevereiro da ‘Los Angeles Times‘. Em sua entrevista para o repórter do site, Glenn Whipp, a atriz fala sobre ‘Vice‘, sobre o diretor Adam McKay, sua filha Aviana e muito mais! Confira a tradução:

Amy Adams poderia perseguir um urso em seu quintal usando apenas um cabo de vassoura. Isso é o que o cineasta Adam McKay acredita, pelo menos, e ele trabalhou com Amy no início de sua carreira (Talladega Nights – Ricky Bobby – A Toda Velocidade) e mais recentemente em ‘Vice’, então ele deve saber de alguma coisa, certo?
McKay também está certo de que Adams poderia carregar uma arma e mirar em ladrões que estejam nas redondezas chamando. Adam prevê este cenário acontecendo em uma cabana de madeira. Amy pode (ou não) estar usando um gorro.
A atriz não tem ideia do que fazer com isso, mas se ela tivesse que adivinhar, acharia que McKay a vê como uma espécie de mãe fundadora da américa, uma pioneira, provavelmente porque todos os seus parentes eram durões, mórmons resistentes se estabelecendo em Utah e Colorado.
Mas Adams prontamente concorda com McKay, dizendo que se um urso passasse pelo quintal dela ameaçando sua família, ela pegaria um cabo de vassoura, haste de cortina ou o que quer que estivesse ao seu alcance e sairia perseguindo.
“Eu sou alguém que responde bem em uma emergência”, diz Adams enquanto toma um chá matcha com uma dose de café expresso nas dependências de um café isolado em West Hollywood. “Pós-emergência? Isso é outra coisa. Eu ficaria ótima no momento, depois não dormiria por um ano.”
Amy descreve a si mesma como uma pessoa muito nervosa, apesar de que você seria pressionado, fora de alguma inquietação, para detectar qualquer sinal de ansiedade. Mas está lá, ela diz. Ela geralmente não lembra de quando se apresenta. Tipo, ela poderia falar sobre estar nos bastidores do Oscar de 2008 e depois sair do palco, mas apagou completamente enquanto estava cantando a música indicada ‘Happy Work Song’, de Encantada. Ela fica tão focada em fazer aquilo, que acaba esquecendo do ato.
Parte desse apagão vem de um desejo de imediatismo e de surpresas em sua atuação. Em ‘Vice’, Adams interpreta Lynne Cheney, uma mulher forte de Wyoming, que foi apresentada pela primeira vez no filme dando uma bronca em seu namorado, Dick Cheney (Christian Bale), depois de mais uma de suas escapadas bêbado. Originalmente no filme, essa cena viria depois de uns 20 minutos de Lynne e Dick – interpretados por outros atores – durante o ensino médio, lançando o foco para Lynne, porém McKay cortou isso, deixando Adams abrir o filme com a força de um vendaval.
“Ninguém lê o roteiro como Amy Adams”, diz o cineasta Paul Thomas Anderson, cujo contratou Amy para o seu filme “The Master” (O Mestre), em 2012. “Ela pode proporcionar esse tipo de momento e te faz perceber que a vida seria muito mais fácil se você seguisse as instruções dela”.
McKay chama a cena inicial de ‘o filme inteiro’. Mesmo na própria mitologia da família Chyne, Lynne diz a Dick que ela o deixará se ele, nas palavras do filme, ‘não levantar e ter coragem para fazer algo por si mesmo’, é o que colocou Dick na estrada para se tornar o vice-presidente mais poderoso dos Estados Unidos.
E, pensando nisso, McKay diz que a performance de Adams naquela primeira cena tem muito em comum com com seu grande momento em seu primeiro trabalho juntos, ‘Talladega Nights’, onde a personagem de Adams conta ao piloto de carro de Will Ferrell, Ricky Bobby, que ele é gente que ‘faz’, e não que ‘pensa’, e ele precisa “enfrentar seus medos, lutar no chão como uma cobra demoníaca” e vencer… VENCER!
“Em ambas as cenas, é essa mulher americana forte e durona que faz o homem americano ser homem”, diz McKay.

“Ooooh … eu vou aceitar isso”, diz Adams, ouvindo a interpretação de McKay. Quando ela assiste à cena de “Talladega Nights”, no entanto, lembra-se de ter acrescentado “Tawny Kitaen” ao papel no final, onde ela está rastejando pela mesa do restaurante, batendo o cabelo como Kitaen fez naquele videoclipe de Whitesnake.
“Eu acho que houve algum lugar na minha juventude onde havia essa fantasia de ser uma garota do videoclipe, como se esse tivesse sido o sonho”, diz Adams, rindo.

Adams absorveu todas as letras dos videoclipes dos anos 80, assim como as canções que seu pai cantava ao redor da casa, junto com todas as músicas que seus seis irmãos adoravam, transformando-a em uma “enciclopédia de palavras loucas” capaz de fazer serenatas entre os intervalos de gravação de “Vice”, definido sem parar entre as tomadas, permanecendo todo o tempo na voz de Lynne Cheney. McKay incluiu um clipe de Adams como Lynne cantando “Bohemian Rhapsody” (da banda Queen) em um filme que ele mostrou na festa de encerramento as gravações de Vice.

“Adorei cantar como Lynne”, diz Amy, demonstrando esse amor ao cantar “You Shook Me All Night Long” do AC/DC, cantando o icônico início “She was a fast machine,/she kept her motor clean” com um sotaque que é absolutamente perfeito. Adams tinha planejado entrar em um estúdio de gravação antes das férias para gravar um álbum, “Lynne Cheney Sings Christmas Songs“, para dar de presente a McKay. Ela ainda pode seguir adiante.

Adams encontrou sua conexão com Lynne não através da música – ela não faz ideia do tipo de música que Cheney gosta, embora ela adivinhe que não é heavy metal – mas em uma cena improvisada, onde ela conversa com Dick no telefone enquanto segura a filha Mary. Adams não queria interpretar Cheney como um animal político. Esse breve momento em que ela está tentando descobrir por que seu macarrão com queijo não está funcionando ligou um interruptor na cabeça de Adams, levando-a a basear sua performance, em parte, em sua avó rabugenta.
Adams, de 44 anos, acabou vendo “Vice” pela primeira (e única) vez com sua própria mãe, que amou o filme, dizendo a atriz que Lynne é sua personagem favorita dentre todas as que ela já interpretou.

“Eu acho que é porque minha mãe é um biscoito duro, então ela tem isso em comum com Lynne”, diz Adams. “Ela me disse, e eu adorei isso: ‘Eu conheço tantas mulheres como Lynne que usaram sua energia para empurrar seus maridos para a frente’. E acho que ela viu algo que pôde admirar nisso.”

Não que Adams possa se identificar totalmente com Cheney, particularmente quando se trata de ser mãe. No início do filme, as filhas pequenas de Cheney, Liz e Mary, visitam Dick depois que ele se torna o chefe de gabinete de Gerald Ford. Quando ele responde de brincadeira as perguntas de Mary sobre a Casa Branca (“É aqui que o Papai Noel mora?”), Lynne o adverte, dizendo: “Se você é bobo com ela, ela crescerá para ser uma mulher boba”.

“Eu sou uma mulher boba”, diz Adams. “Eu sou tão boba com a minha filha, acho que isso a agrava neste momento. Eu posso criar uma filha séria só porque ela não quer ser como eu. ”

E apesar de não haver razão para duvidar que Adams é de fato boba com sua filha de 8 anos, Aviana, que tem as feições e os cabelos grossos e ondulados de sua mãe, há também um outro lado que parece mais prevalente. Para começar, na escola de Avi, Adams é conhecida como a “mãe não divertida”. Não porque ela não seja agradável, cortês e cooperativa, mas porque é a que os outros pais chamam quando a ordem precisa ser restaurada.

“Estávamos em um passeio com um monte de crianças da escola, e um casal de crianças estava realmente se comportando mal e em pé nas mesas”, diz Adams. “Então Avi também ficou em pé no banco, o que ela normalmente não faria, mas todas as outras garotas estavam fazendo isso, e eu disse: ‘Você precisa sentar agora, ou você vai sair da mesa.” E ela sentou-se e então eu a vi levantando novamente, e eu disse: ‘OK, aqui está o que vai acontecer. Pior do que sair da mesa: eu vou sentar na mesa e vou cantar músicas de show”. Avi não levantou da mesa novamente.

Principalmente, no entanto, Adams se vê apreciando a atenção e maturidade de sua filha, às vezes a ponto de se maravilhar. No mês passado, quando a atriz estava se preparando para ir ao Screen Actors Guild Awards, Avi se aproximou dela e disse: “Sabe, mãe, você já ganhou o prêmio de ‘melhor mãe’, então não importa se você ganha ou perde”.

Indicada tanto por “Vice” quanto para seu papel principal na série limitada da HBO, “Sharp Objects”, Adams saiu de mãos vazias naquela noite.

Ela não se incomodou nem um pouco.

Artigo original: Los Angeles Times.
Tradução e adaptação – Equipe AABR.

Seja bem-vindo (a) ao Amy Adams Brasil. Sua primeira, única e mais completa fonte brasileira sobre a atriz Amy Adams. Devido a problemas com nosso antigo site, precisamos reconstruí-lo. Aqui você encontrará informações sobre os projetos de Amy, campanhas e muito mais, além de entrevistas traduzidas e uma galeria repleta de fotos. Esperamos que goste e volte sempre!